El Cid, O Herói Espanhol – Parte 2 – Selos da Espanha

Mesmo sendo um Herói Nacional, a Espanha não emitiu muitos selos comemorativos exultando a memória e os feitos de El Cid. Em 1937 surge um selo tipo com o cavaleiro, que se repetiria com variações nos anos de 1938, 1939, 1940 e depois em 1949 e 1950, que será objeto de estudo mais detalhado neste artigo.

Surgiu também uma série com quatro selos comemorativos em 1962 e outra com três selos, sendo um com El Cid em 1977.

A Série de 1962 – Rodrigo Diaz de Vivar, El Cid

São quatro selos, mas o que mais chama a atenção é o com a imagem do cofre de El Cid na Catedral de Burgos.

5 - Fig 1 VEJA QUAL ESTA MELHOR ESPANHA6 - FIG 2 COFRE

Classificação 

EDIFIL YVERT SCOTT VALOR MOTIVO
1444 1109 1121 1P Escultura de Juan Cristóbal (Burgos)
1445 1110 1122 2P Escultura de Ana Hurtigton (Sevilha)
1446 1111 1123 3P Cofre, Catedral de Burgos
1447 1112 1124 10P Juramento em Santa Gadea, de Garcia Prieto

Histórias ou Lendas?

  • A história (real ou lenda) está narrada em um dos primeiro acervos da literatura castelhano, o “Cantar de Mio Cid”, e passou sem variações ao acervo místico popular, tomando como engenhosa uma narração que só nos veio demonstrar as artimanhas empregadas pelos cristãos com os judeus.
  • Conta-se que Rodrigo Díaz de Vivar ao ser exilado por ordem de Alfonso VI, se encontrou perante a urgente necessidade de obter fundos com os quais seria necessário pagar a companhia dos trezentos de seus melhores cavaleiros castelhanos que o acompanharia em seu exílio. Dirigiu então à casa dos judeus burgaleses, convencendo-os que lhe adiantassem aqueles valores deixando em troca um cofre que continha todas as suas jóias. Os judeus aceitaram o trato e se apressaram em adiantar-lhe à quantia pedida. Rodrigo saiu imediatamente da cidade com seus homens, e os ingênuos judeus, ao abrirem o cofre para comprovar os tesouros que haviam adquiridos, viram que no seu interior não havia mais que pedras sem valor. e que haviam perdido a oportunidade de desfazer o trato.
  • Há versões da lenda que dizem que, Cid ao tentar salvar-se do sujo engano em que estava envolvido, o paladino cristão entregou aos judeus autênticas jóias familiares do mais alto valor, porém o Senhor, querendo castigar a avareza do dois hebreus, se encarregou de convertê-las em pedras, sem que mudasse em nada a vontade ou a intenção do herói castelhano. E acrescenta-se a essa versão que, quando Cid regressou por fim a Burgos, foi resgatar as pedras entregues com o produto do despojo obtido dos mouros, e então as pedras voltaram a se transformar milagrosamente no autêntico tesouro que havia naquela data depositado nas mãos dos judeus.
  • O cofre de “El Cid” encontra-se colocado sobre um suporte na parede da Capela de Corpus Christi da Catedral de Burgos.

A Série de 1977 – Monastério de São Pedro de Cardenha

Composta por três selos esta série apresenta alguns aspectos do Monastério:

7 - Fig 3 EL CID 3 SELOS

Classificação:

EDIFIL YVERT SCOTT VALOR MOTIVO
2443 2088 2070 3p Vista geral externa do Monastério
2444 2089 2071 7p Claustro
2445 2090 2072 20p Sepultura de El Cid e Dona Jimena

Histórias ou Lendas?

  • Segundo as Cantigas de El Cid, ele, ao sair para seu segundo desterro deixou aos cuidados do abade, sua esposa Jimena e suas duas filhas Elvira e Sol (cujos nomes reais foram Maria e Cristina). Conta a lenda que ele e Jimena estão sepultados neste local.
  • O monastério foi fundado pelos beneditinos no ano de 899, tendo sido um importante centro cultural e espiritual nos primeiros momentos da construção do Reino de Castela. Foi saqueado em 953 pelo exército de Abderraman III, a torre de vigia caiu no século X ou XI e o claustro no século XII. Historiadores beneditinos tem considerado este mosteiro como o primeiro de monges negros na Espanha
  • O monastério foi abandonado em 1836 e depois ocupado por diversas ordens religiosas. Durante a Guerra Civil Espanhola foi utilizado como campo de concentração de prisioneiros republicanos.
  • El Cid morreu em Valencia e seu corpo foi exumado pela esposa Jimena para ser enterrado no Monastério, aonde foi exumado várias vezes até ficar na Capela-Panteão de El Cid. As esculturas dele e de Jimena foram feitas por Alfonso X o Sábio. Hoje os restos de El Cid e Jimena se encontram na Catedral de Burgos.
  • Os diversos saques que o Monastério sofreu também atingiram os restos mortais de El Cid. Seus ossos foram espalhados pelo templo e inclusive levados pelos soldados franceses (seculo XIX) como amuletos.

Os Selos-Tipo de El Cid de 1937, 38, 39, 40, 49 e 50

Foram emitidos quinze selos com o Cavaleiro El Cid no período de 1937 a 1950. Existem variações de picote, cor, tamanho, marca do impressor e valores, o que permite a sua identificação fácil.

1 - Fig 4EL CID BASICO 109 - Fig 5 EL CID BASICOS

Classificação dos Selos-Tipo de El-Cid

Classificacao

Observações:

1 – (*) – O Catálogo Yvert não classifica este selo.
2 – (**) – O Catálogo Scott não classifica ou classifica com marca do impressor
3 – Pró-Vítimas: Selo de Sobretaxa Obrigatória em favor de crianças vítimas da guerra. “Auxilio a Las Víctimas de La Guerra 1946”
4 – Marca do Impressor:
Tipo I – “Hija de B.Fournier-Burgos” com 15 mm
Tipo II – “Fournier-Burgos” com 10 mm
5 – Existem diferenças de cor e picote para o mesmo selo entre os dois catálogos consultados.

Curiosidades:

Encontramos em nossas buscas um souvenir com os quatro selos desta emissão (exclundo-se a sobretaxa obrigatória), autorizada pelos Correios da Espanha, porém sem valor facial, além de réplicas em metal de outros dois selos comemorativos, 1444 e 1445.

10 - Fig 6 Souvenir

13 - Fig 9 EL CID GUERRA ESPANHOLA


Há ainda inúmeros selos desta série com sobrecarga utilizados durante a Guerra Civil Espanhola e em ex-colonias espanholas, cuja classificação é encontrada em catálogos ultra-especializados deste período. (fig. 9).

Bibliografia:
http://www.ebay.com
http://www.caminhodesantiago.com.br/walter/lendas/cofre_cid.htm
http://www.caminodelcid.org/localidades/san-pedro-de-cardena-565122/
http://sabemosdetudo.com/cultura/ask90403-Voce_sabe_a_origem_do_Mosteiro_de_Sao_Pedro_de_Cardena_Burgos.html
Catálogo Yvert 2012
Catálogo Edifil 2012

Matéria publicada no Boletim da SPP nº 230 de dezembro de 2017

 

 

EL CID, O herói espanhol – Parte I – História e Lenda

3 - Fig 1El Cid, nascido Rodrigo Díaz de Vivar em Burgos, Espanha em 1043 e morto em Valência a 10 de julho de 1099, guerreiro castelhano da época em que a Espanha (Hispânia) estava dividida em reinos rivais de cristãos e mouros (muçulmanos). O nome El Cid provém do mourisco Sidi, senhor e de Campeador, campeão. Sua vida e feitos se tornaram lendários sobretudo devido a uma canção de gesta (a Canción de Mio Cid) datada de 1207, um referencial para os cavaleiros da idade média.

 

  • As canções de gesta (em francês ”chansons de geste), são um conjunto de poemas épicos surgidos no raiar da literatura francesa, entre os séculos XI e XII.
  • Essas canções exerceram grande influência na literatura medieval, tanto em sua região de origem como por toda a Europa, e, mesmo com o fim de Idade Média, sua influência continuou a sentir-se na literatura e até no folclore.

História

Órfão de pai aos 15 anos, foi levado para a corte do rei Fernando I de Leão onde se tornou amigo e companheiro do infante Sancho, filho de Fernando I. Sua educação se fez no monastério de San Pedro de Cardeña.

Com a morte de Fernando I, o reino foi dividido entre seus filhos: Castela ficou para Sancho; a Galiza para Garcia; Leão para Alfonso; Toro para Elvira; e Zamora para Urraca. Sancho não concordou com a divisão e passou a lutar pela reunificação e ampliação da herança paterna, sob sua coroa, contando com a ajuda de Rodrigo, já nomeado Alferes do reino.

4 - Fig 2
Mapa da Península Ibérica em 1037

Rodrigo tinha 23 anos quando venceu em combate o alferes de Navarra, Jimeno Garcés, façanha que lhe valeu a alcunha de “Campeador”, e já no ano seguinte começou a ser conhecido como “El Cid” entre os mouros.

As Histórias e Contradições em torno de El Cid

Após o assassinato de Sancho, o Reino de Castela passa a ser governada pelo Rei Alfonso VI, Rei de Leão. Rodrigo, o El Cid, é desterrado por Alfonso VI.

Segundo a “Canción de Mio Cid”, 300 dos melhores cavaleiros castelhanos decidiram acompanhá-lo no exílio, fazendo de Zaragoza seu quartel general e travando batalhas vitoriosas contra os mouros.

Segundo uma versão alternativa, Rodrigo refugiou-se nas montanhas de Aragão, com um pequeno exército de mercenários a serviço de quem lhes pagasse mais, fosse cristão ou 5 - Fig 3 Monacomuçulmano. Aliás, é também essa fonte alternativa que, ao mencionar seu casamento com Jimena (ou Ximena), filha do Conde de Oviedo, ocorrido pouco antes do exílio, diz, maliciosamente que a dama era mais velha do que ele, e muito feia porém tinha um patrimônio invejável (diferente do épico cinematográfico estrelado por Charlton Heston e Sophia Loren).

Rodrigo estabeleceu vínculos com o rei mouro da taifa de Valência, Al-Cádir, que se tornou seu amigo e protegido (segundo uma versão) ou seu cliente (segundo outra). Foi em benefício de Al-Cadir que El Cid conquistou os pequenos reinos de Albarracín e Alpuente.

 

  • O termo taifa, no contexto da história ibérica, refere-se a um principado muçulmano independente, um emirato ou pequeno reino existente na Península Ibérica (o Al-Andalus) após o o derrocamento do califa Hisham III (da dinastia omíada) e a abolição do Califado de Córdoba em 1031.
  • O termo deriva da expressão árabe muluk at-ta’waif, «os reis das facções» (simplificada em ta’waif, donde a facção, o reino). As taifas ibéricas foram até trinta e nove pequenos reinos.

Em 1089, o almorávida Yusuf cruzou o estreito de Gibraltar, à frente de um numeroso exército. A invasão ameaçava a segurança de todos os reinos espanhóis, e o rei Alfonso pediu ajuda a Rodrigo, fazendo-o retornar a Castela. Mas não tardou para que a hostilidade voltasse a se manifestar entre ambos, e El Cid foi desterrado pela segunda vez.

Nos dez anos que se seguiram, a fama do “Campeador” cresceu. Agora liderando um grande exército, conquistou e se tornou senhor dos reinos mouros de Lérida, Tortosa, Dénia, Albarracín, e Alpuente.

Por volta de 1093 após o assassinato de Al-Cádir atacou a taifa de Valência, conseguindo tomá-la em junho de 1094, após 19 meses de cerco da cidade.

Segundo a versão que não o enobrece, Rodrigo mandou torturar e queimar vivo o governador da cidade, Ben Yehhaf, implicado na morte de Al-Cádir. E não teria poupado sua mulher e filhos se não fosse a intervenção dos nobres cavaleiros que o seguiam.

Já a versão mais difundida sustenta que ele, ao se tornar senhor de Valência, mostrou-se um governante justo e equilibrado. Outorgou à cidade um estatuto de justiça, implantou a religião cristã mas, ao mesmo tempo, renovou a mesquita dos muçulmanos, cunhou moedas e rodeou-se de uma corte de estilo oriental, composta tanto por poetas árabes e cristãos, quanto por pessoas eminentes no mundo das leis.

Mas os almorávidas não estavam inertes e se apresentaram às portas da cidade, sob a liderança de Mahammad, sobrinho de Yusuf. Após vários combates El Cid obteve uma vitória decisiva, que contribuiu para torná-lo objeto de narrativas heroicas, várias delas absolutamente inverídicas.

Até sua morte Rodrigo governou Valência em nome de Alfonso VII, mas mantendo seu poder independente do rei, tratando de aumentá-lo ao casar uma de suas filhas, Cristina também conhecida como Elvira, com o príncipe Ramiro Sanchez de Pamplona, e a outra, María Rodriguez de Bivar, com o conde de Barcelona, Raimundo Berengário III.

Ao contrário da tradição lendária, que aprecia vê-lo morrendo heroicamente em combate, Rodrigo Díaz de Vivar, chamado de “Campeador” ou “El Cid” ou “Mio Cid”, faleceu numa cama de seu castelo em Valência a 10 de julho de 1099.

É nesse ponto da história que Rodrigo vira uma lenda. Os mouros ficaram confiantes pois haviam finalmente matado o El Cid. Sua mulher mandou amarrar seu corpo ao cavalo e sua espada a sua mão e o mandou ao campo de batalha. Ao ver El Cid em cima do seu cavalo passaram a fugir sendo perseguidos e derrotados pelo exército de Rodrigo. Por isso reza a lenda que Don Rodrigo de Castella, o El Cid, venceu uma batalha depois de morto. Seus restos mortais e os de sua esposa Jimena, estão sepultados na Catedral de Burgos

Catedral de Burgos
Túmulo de El Cid e Jimena na Catedral de Burgos

8 - Fig 6

Espanha, Máximo Postal, Monumento a El Cid, Balboa Park, San Diego, California

9 - Fig 7 FDC

Espanha, FDC, Hispanidade 1961, carimbo da Exposição Barcelona de 17 de agosto de  1962

Bibliografia:
https://www.meuscaminhos.com.br/el-cid-campeador-heroi-espanhol-burgos/
https://pt.wikipedia.org/wiki/
https://tutor5.wordpress.com/2012/03/08/cancion-de-gesta-cantar-del-mio-cid/
https://heroismedievais.blogspot.com.br/2016/06/el-cid-campeador-homem-simbolo-dos.html
Catálogo Edifil 2012
Catálogo Scott 2014

Matéria publicada no Boletim da SPP nº 229 de agosto de 2017