EL CID, O herói espanhol – Parte I – História e Lenda

3 - Fig 1El Cid, nascido Rodrigo Díaz de Vivar em Burgos, Espanha em 1043 e morto em Valência a 10 de julho de 1099, guerreiro castelhano da época em que a Espanha (Hispânia) estava dividida em reinos rivais de cristãos e mouros (muçulmanos). O nome El Cid provém do mourisco Sidi, senhor e de Campeador, campeão. Sua vida e feitos se tornaram lendários sobretudo devido a uma canção de gesta (a Canción de Mio Cid) datada de 1207, um referencial para os cavaleiros da idade média.

 

  • As canções de gesta (em francês ”chansons de geste), são um conjunto de poemas épicos surgidos no raiar da literatura francesa, entre os séculos XI e XII.
  • Essas canções exerceram grande influência na literatura medieval, tanto em sua região de origem como por toda a Europa, e, mesmo com o fim de Idade Média, sua influência continuou a sentir-se na literatura e até no folclore.

História

Órfão de pai aos 15 anos, foi levado para a corte do rei Fernando I de Leão onde se tornou amigo e companheiro do infante Sancho, filho de Fernando I. Sua educação se fez no monastério de San Pedro de Cardeña.

Com a morte de Fernando I, o reino foi dividido entre seus filhos: Castela ficou para Sancho; a Galiza para Garcia; Leão para Alfonso; Toro para Elvira; e Zamora para Urraca. Sancho não concordou com a divisão e passou a lutar pela reunificação e ampliação da herança paterna, sob sua coroa, contando com a ajuda de Rodrigo, já nomeado Alferes do reino.

4 - Fig 2
Mapa da Península Ibérica em 1037

Rodrigo tinha 23 anos quando venceu em combate o alferes de Navarra, Jimeno Garcés, façanha que lhe valeu a alcunha de “Campeador”, e já no ano seguinte começou a ser conhecido como “El Cid” entre os mouros.

As Histórias e Contradições em torno de El Cid

Após o assassinato de Sancho, o Reino de Castela passa a ser governada pelo Rei Alfonso VI, Rei de Leão. Rodrigo, o El Cid, é desterrado por Alfonso VI.

Segundo a “Canción de Mio Cid”, 300 dos melhores cavaleiros castelhanos decidiram acompanhá-lo no exílio, fazendo de Zaragoza seu quartel general e travando batalhas vitoriosas contra os mouros.

Segundo uma versão alternativa, Rodrigo refugiou-se nas montanhas de Aragão, com um pequeno exército de mercenários a serviço de quem lhes pagasse mais, fosse cristão ou 5 - Fig 3 Monacomuçulmano. Aliás, é também essa fonte alternativa que, ao mencionar seu casamento com Jimena (ou Ximena), filha do Conde de Oviedo, ocorrido pouco antes do exílio, diz, maliciosamente que a dama era mais velha do que ele, e muito feia porém tinha um patrimônio invejável (diferente do épico cinematográfico estrelado por Charlton Heston e Sophia Loren).

Rodrigo estabeleceu vínculos com o rei mouro da taifa de Valência, Al-Cádir, que se tornou seu amigo e protegido (segundo uma versão) ou seu cliente (segundo outra). Foi em benefício de Al-Cadir que El Cid conquistou os pequenos reinos de Albarracín e Alpuente.

 

  • O termo taifa, no contexto da história ibérica, refere-se a um principado muçulmano independente, um emirato ou pequeno reino existente na Península Ibérica (o Al-Andalus) após o o derrocamento do califa Hisham III (da dinastia omíada) e a abolição do Califado de Córdoba em 1031.
  • O termo deriva da expressão árabe muluk at-ta’waif, «os reis das facções» (simplificada em ta’waif, donde a facção, o reino). As taifas ibéricas foram até trinta e nove pequenos reinos.

Em 1089, o almorávida Yusuf cruzou o estreito de Gibraltar, à frente de um numeroso exército. A invasão ameaçava a segurança de todos os reinos espanhóis, e o rei Alfonso pediu ajuda a Rodrigo, fazendo-o retornar a Castela. Mas não tardou para que a hostilidade voltasse a se manifestar entre ambos, e El Cid foi desterrado pela segunda vez.

Nos dez anos que se seguiram, a fama do “Campeador” cresceu. Agora liderando um grande exército, conquistou e se tornou senhor dos reinos mouros de Lérida, Tortosa, Dénia, Albarracín, e Alpuente.

Por volta de 1093 após o assassinato de Al-Cádir atacou a taifa de Valência, conseguindo tomá-la em junho de 1094, após 19 meses de cerco da cidade.

Segundo a versão que não o enobrece, Rodrigo mandou torturar e queimar vivo o governador da cidade, Ben Yehhaf, implicado na morte de Al-Cádir. E não teria poupado sua mulher e filhos se não fosse a intervenção dos nobres cavaleiros que o seguiam.

Já a versão mais difundida sustenta que ele, ao se tornar senhor de Valência, mostrou-se um governante justo e equilibrado. Outorgou à cidade um estatuto de justiça, implantou a religião cristã mas, ao mesmo tempo, renovou a mesquita dos muçulmanos, cunhou moedas e rodeou-se de uma corte de estilo oriental, composta tanto por poetas árabes e cristãos, quanto por pessoas eminentes no mundo das leis.

Mas os almorávidas não estavam inertes e se apresentaram às portas da cidade, sob a liderança de Mahammad, sobrinho de Yusuf. Após vários combates El Cid obteve uma vitória decisiva, que contribuiu para torná-lo objeto de narrativas heroicas, várias delas absolutamente inverídicas.

Até sua morte Rodrigo governou Valência em nome de Alfonso VII, mas mantendo seu poder independente do rei, tratando de aumentá-lo ao casar uma de suas filhas, Cristina também conhecida como Elvira, com o príncipe Ramiro Sanchez de Pamplona, e a outra, María Rodriguez de Bivar, com o conde de Barcelona, Raimundo Berengário III.

Ao contrário da tradição lendária, que aprecia vê-lo morrendo heroicamente em combate, Rodrigo Díaz de Vivar, chamado de “Campeador” ou “El Cid” ou “Mio Cid”, faleceu numa cama de seu castelo em Valência a 10 de julho de 1099.

É nesse ponto da história que Rodrigo vira uma lenda. Os mouros ficaram confiantes pois haviam finalmente matado o El Cid. Sua mulher mandou amarrar seu corpo ao cavalo e sua espada a sua mão e o mandou ao campo de batalha. Ao ver El Cid em cima do seu cavalo passaram a fugir sendo perseguidos e derrotados pelo exército de Rodrigo. Por isso reza a lenda que Don Rodrigo de Castella, o El Cid, venceu uma batalha depois de morto. Seus restos mortais e os de sua esposa Jimena, estão sepultados na Catedral de Burgos

Catedral de Burgos
Túmulo de El Cid e Jimena na Catedral de Burgos

8 - Fig 6

Espanha, Máximo Postal, Monumento a El Cid, Balboa Park, San Diego, California

9 - Fig 7 FDC

Espanha, FDC, Hispanidade 1961, carimbo da Exposição Barcelona de 17 de agosto de  1962

Bibliografia:
https://www.meuscaminhos.com.br/el-cid-campeador-heroi-espanhol-burgos/
https://pt.wikipedia.org/wiki/
https://tutor5.wordpress.com/2012/03/08/cancion-de-gesta-cantar-del-mio-cid/
https://heroismedievais.blogspot.com.br/2016/06/el-cid-campeador-homem-simbolo-dos.html
Catálogo Edifil 2012
Catálogo Scott 2014

Matéria publicada no Boletim da SPP nº 229 de agosto de 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s