O Deficiente Físico na Filatelia – Parte 3 – O Cecograma

Cecograma (s.m.; de caecus = cego + gr. grámma, pelo lat. gramma = escrito) “instrumento escrito por ou para cegos com o emprego do sistema Braille”

A escrita Braille recebeu este nome devido ao seu criador Louis Braille (fig 1), que perdeu a visão em um acidente na infância. Em 1824, Braille desenvolveu aos 15 anos um código para o alfabeto francês em uma melhoria para a escrita noturna, e que será objeto de artigo próximo.

Criado pelo Congresso de Viena, na Áustria, em 1964, a palavra é um termo que significa “correspondência para uso dos cegos”. Porém, mais do que uma palavra, Cecograma é um serviço garantido por lei às pessoas com deficiência visual em diversos países. O Congresso de Ottawa concedeu a franquia postal às escritas Braille (Fig.1), abertas. Para evitar limitar o termo a um único método de escrita, o termo “cartas cecográficas” foi utilizado.

Fig 1No Brasil a palavra se tornou um direito em 1978 quando foi sancionada a Lei Federal 6538 que regula os direitos e obrigações do serviço postal no país, e que menciona a carta, o cartão postal e o cecograma entre outros objetos de postagem. O Cecograma é definido como “objeto de correspondência impresso em relevo para uso dos cegos. Em 1979, na Convenção Universal do Rio de Janeiro, ficou acordado, no artigo 17, que o Cecograma estaria isento da taxa de franquia.

Os materiais em áudio, expedidos por instituições direcionadas para cegos, oficialmente reconhecidas, ou endereçadas a elas também são considerados como cecograma. Na postagem os objetos deverão ser apresentados abertos para a verificação das condições de aceitação; deverá ser exibido no canto inferior esquerdo do objeto a palavra “CECOGRAMA”, e deverá ter no máximo sete quilos. A postagem é gratuita para cartas simples, registrada ou com aviso de recebimento. (figs. 2, 3 e 4)

Fig 2 CECOGRAMAFig 3 CECOGRAMA

 

Fig 4 CECOGRAMA

SERVIÇOS DE AJUDA

Encontramos alguns serviços de ajuda para escrever, traduzir e postar cartas para cegos.Fig 5 Mecbraille Se enviarmos uma carta escrita em nosso alfabeto para um cego ele dependerá de alguém com visão normal para lê-la. Os serviços “traduzem” a carta para escrita Braille, imprimem e postam-na no correio.

A Acessibilidade Brasil (www.acessobrasil.org.br) disponibilizou para utilização pública e gratuita, um sistema de impressão remota em Braille, que permite o envio de uma carta em Braille, via correios, para todo o território brasileiro.

Em Portugal, existe um serviço similar, o MECBraille – Marco Electrónico de Correio Braille (www.acessibilidade.net).(fig.5)

Fig 6

O Regulamento Oficial do Serviço Postal norte-americano pode ser lido no endereço https://about.usps.com/postal-bulletin/2014/pb22382/html/updt_002.htm e apresenta uma etiqueta que deve ser afixada no canto superior direito da parte da frente do envelope ou peça postal indicando a deficiência visual. Esta etiqueta pode ser impressa em casa ou até xerox. Não é indicado, no regulamento o tamanho dela. Encontramos no site eBay nesta data etiquetas para cegograma (fig 6), mas desconhecemos esta etiqueta no Brasil.

 

 

Bibliografia:
https://www.correios.com.br/a-a-z/cecograma-nacional
https://www.correios.com.br/a-a-z/cecograma-internacional
https://turismoadaptado.com.br/cecograma-o-servico-postal-em-braille-dos-correios-brasileiros/
http://www.acessibilidade.net/mecbraille/servico.php
http://cmaia.selos-postais.com/Artigos/7_cecograma/cecograma.htm
https://articulo.mercadolibre.com.ar/MLA-727189224-filasur-argentina-cecograma-pareja-mint-para-no-viedentes-_JM
https://pt.wikipedia.org/wiki/Braille
https://about.usps.com/postal-bulletin/2014/pb22382/html/updt_002.htm

Índice de imagens

1. Selo em homenagem a Louis Braille
2. Cecograma enviado de entidade para cegos para papelaria (comércio), isenta de porte, mas não de acordo com o regulamento.
3. Cecograma enviado da Itália para Nova Zelândia 31 de julho de 1995, com retorno ao remetente. Note-se a escrita em Braille. Apesar da anotação de carta de cego isenta de taxa, foi aposto selo de 500 liras italianas, por ser registrada Expressa. A modalidade expressa não é contemplada no regulamento.
4. Cecograma enviado de entidade para cegos para a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, também não contemplada pelo regulamento. Carimbo de cecograma no canto superior direito.
5. Computador com programa que transmite para uma impressora tipo Braille os caracteres digitados (MECBraille)
6. Etiquetas para correspondência de cegos conforme regulamento do Correio Norte Americano.

Álbum de Selos do Brasil

O colaborador e filatelista Alberto Feliberto (feliba.feliba@gmail.com) gentilmente nos cedeu os links para download dos Álbuns para Selos do Brasil. As folhas contém a imagem dos selos coloridas, ficando muito fácil para fazer a coleção. Estes álbuns contemplam os selos isolados e em quadras.

Para o álbuns após 2014 é necessário fazer a inscrição no APP-Box (gratuito e que oferece espaço para armazenamento de arquivos).

O Deficiente Físico na Filatelia – Parte II – A Cegueira

001Deficiência visual ou perda visual é a perda ou diminuição grave e irreversível da função visual que não é corrigível com lentes ou cirurgia e que interfere com as tarefas do dia-a-dia.

A Organização Mundial de Saúde classifica a deficiência visual em seis graus de acordo com a acuidade visual da pessoa, variando de visão subnormal até a cegueira total ou amaurose. Esta pode ser profunda, quase total e total. A maior parte dos cegos possui alguma função visual e percebe luzes, sombras e movimento. Só uma pequena percentagem é que não possui qualquer sensação visual.

Apesar das deficiências visuais estarem diminuindo desde 1990 por conta de programas de prevenção a nível mundial, ainda ela é muito mais comum em países pobres ou em desenvolvimento.

002

CAUSAS DA DEFICIÊNCIA VISUAL

Genéticas – ao nascimento, a criança apresenta cegueira parcial ou completa, como em anomalias genéticas (por exemplo, o albinismo).

Congênitas – por gravidez cursando com algumas doenças, tais como a toxoplasmose, rubéola, sarampo, intoxicação por metais pesados da mãe durante a gravidez, deficiência de vitamina A na gestante, e outros.

Adquiridas – traumáticas; por acidente vascular cerebral (derrames); infecções como meningoencefalite; intoxicações (metanol); queimaduras por calor ou químicas; por doenças como oncocercose, mal de Hansen; anóxia de parto (falta de oxigênio no momento do parto); neuropatias como no diabete mellitus; doenças como glaucoma (aumento da pressão intra-ocular), catarata, deficiência de vitamina A, etc.

Intencionais – infelizmente como castigo ou vingança utilizada em tortura. Assassino de búlgaros, o imperador bizantino Basílio II Bulgaróctono cegou 15 mil prisioneiros, antes de libertá-los. Em 2003, um tribunal antiterrorista paquistanês condenou um homem a ser cegado depois de ter realizado um ataque com ácido contra a sua noiva, que resultou em sua cegueira. A mesma sentença foi dada em 2009 para o homem que cegou Ameneh Bahrami, sua noiva, no Irã.

Na história dos Estados Unidos, a Lei Seca, também conhecida como O Nobre Experimento ou Proibição (Prohibition) caracteriza o período de 1920 a 1933 durante o qual a fabricação, transporte e venda de bebidas alcoólicas para consumo foram banidas nacionalmente, como estipulou a 18ª emenda da Constituição dos Estados Unidos.

Muitos fabricantes produziram clandestinamente bebidas alcoólicas com álcool metílico, que é tóxico para o organismo. Ingerido, irrita as membranas das mucosas podendo causar intoxicação e cegueira (que pode ser permanente), e ser fatal com doses de 20 a 25 ml. O contato com os olhos pode dissolver a retina, também causando cegueira.

NÚMEROS DA CEGUEIRA

CARIMBOEm 2015 havia 940 milhões de pessoas em todo o mundo com algum grau de perda visual. Entre estas, havia 246 milhões com deficit de visão e 39 milhões com cegueira. A condição tem custos econômicos elevados, baseados no custo do tratamento, socialização, manutenção e na incapacidade para o trabalho.

PREVENÇÃO DA CEGUEIRA

A prevenção da cegueira é simples: Vacinação de adultos; consultas com oftalmologista, principalmente nas crianças durante a fase de crescimento; controle de doenças crônicas como diabetes, pressão alta, problemas cardíacos; utilizar cintos de segurança principalmente nas crianças; dificultar o acesso de crianças a materiais de limpeza e produtos químicos; trabalhar sempre usando óculos de segurança; usar medicamentos e colírios somente com orientação médica; evitar bebidas alcoólicas; aconselhamento genético em casamentos consanguineos; etc.

004005

Peças filatélicas:

Fig. 1 – Carimbo sobre o “Congresso Paulista sobre a Problemática da Cegueira”, de 8 a 13 de outubro de 1979

Fig. 2 – FDC de Portugal: “Prever e Prevenir a Cegueira, de 13 de setembro de 1976.

Fig. 3 – Carimbo da França com flâmula “Preservez vous yeux – Eclairez vous yeux mieux”

Fig. 4 – Alemanha, Máximo Postal “Prevenção da Cegueira” mostrando exame oftalmológico, de 10 de abril de 1986

Fig. 5 – Cartão Postal enviado de Nova York para Curitiba, PR em 5 de agosto de 1977 com carimbo obliterador com flâmula “Foresight Prevents Blindness”

Bibliografia

www.wikipedia.or
https://www.fundacaodorina.org.br/a-fundacao/deficiencia-visual/o-que-e-deficiencia/
https://nacoesunidas.org/?post_type=post&s=cegueira
http://blog.hospitaldeolhos.net/index.php/cegueira-infantil-causas-sintomas-e-como-prevenir/

Dr.Roberto Antonio Aniche
Médico Ortopedista
Membro da SPP Soc.Philatélica Paulista
Membro da Sobrames Soc.Bras.Médicos Escritores

Mostra 175 anos do Olho de Boi e X Expo-SPP

Esta tradicional comemoração feita em conjunto pelos Correios e pela Sociedade Philatélica Paulista teve sua abertura em 1º de agosto de 2018, data em que foi emitido o primeiro selo Olho de Boi 30 Réis no Brasil e com solenidade oficial no sábado dia 4 de agosto (fig.1).

A Solenidade Oficial foi apresentada pelo Sr. Gercílio Cavalcanti, jornalista e cerimonialista, abrilhantada pelas palavras do Sr. Fernando Gouveia, coordenador de vendas, ambos da EBCT, com discursos de várias personalidades ligadas à área da filatelia. De grande importância para nós, filatelistas, foi o discurso do Sr. Fernando Gouveia (fig.2), que antevendo o ano próximo vindouro, colocou o Correio na rota das comemorações do Centenário da Sociedade Philatélica Paulista, o que muito contribuirá não só para o estreitamento desta relações, mas para uma grande divulgação da Filatelia em todo o território nacional.

O carimbo comemorativo no FDC foi aposto pelos Srs. Fernando Gouveia (EBCT), Gilberto Tenor (Presidente da Sociedade Numismática Brasileira), Reinaldo Macedo (Federação Internacional de Filatelia), Ygor Chrispin (SPP e criador do carimbo comemorativo, fig 3) e Mário Xavier Júnior (presidente da Soc.Philatélica Paulista) (fig.4).

A seguir foram entregues as placas comemorativas do evento para o Sr.Antonio Carlos Pereira Alves Junior, (Coordenador do Centro Cultural dos Correios), representado pela Sra. Jeisa; Fernando Gouveia (EBCT); Ygor Chrispin (associado da SPP e criador do carimbo comemorativo); Mário Xavier Júnior (presidente da SPP), Braz Martins Neto (vice-presidente da SPP, fig.5), Reinaldo Estevão de Macedo, (vice-presidente da FIP para as Américas, coordenador desta exposição e que a tornou realidade).

A Mostra consta com 20 coleções de um quadro expostas abrangendo várias áreas do conhecimento: ecologia, história, liberdade de expressão, inclusão social, etc., e terminou com um coquetel na sala dos filatelistas. Tivemos a presenta de muitos filatelistas e associados da Sociedade Philatélica Paulista, e destacamos a presença do Sr. João Batista Mendes de Oliveira, Gerente da Agência Central dos Correios que muito honrou o evento deste ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Índice das imagens:

01 – Convite da Exposição
02 – Sr.Fernando Gouveia, EBCT
03 – Ygor Chrispin, SPP
04 – Folder da Mostra
05 – Sr.Mário Xavier Júnior, presidente da SPP
06 – Carimbo comemorativo

As Efígies Trocadas, de Dr.Mario de Sanctis e Roberto Thut, 1934

Separata do Boletim da Sociedade Philatélica Paulista de 1934, este artigo sobre os selos de 100 réis de 1894-1897 é um marco na história da Filatelia Brasileira. Na época os selos da Madrugada Republicana eram considerados selos regulares ou ordinários e por conta deste estudo dos pioneiros da SPP esta série mostrou-se complexa, valorizada e rica em detalhes.

Uma coleção Madrugada Republicana realmente é para grandes estudiosos do assunto.

 

Álbuns “Um Selo por País”, de Ulrich Schierz

“Um selo por país” é o título das folhas de uma coleção de selos que inclui não só a atualidade (regime governamental) mas também todos anteriores (reino ou monarquia, república totalitária ou socialista, etc.); condições de colônia ou protetorado, ocupação, agências postais, emissões emergenciais, etc. O álbum é dividido em 6 capítulos – Continente Americano, Europa, África, Ásia, Oceania e Antártica. Base de seleção é o catálogo Scott.

Contatos podem ser feitos para o autor, Sr. Ulrich Schierz, para dúvidas, sugestões e orientações, no email ulli.schierz@yahoo.com.br

Os dois primeiros volumes são:

À medida que forem concluídos serão incluídos os próximos volumes.

 

Selos proibidos nas exposições da Federação Internacional de Filatelia

Documento preparado por Richard Gratton secretário da Comissão de Selos Falsos da Federação Internacional de Filatelia e divulgado em 24 de outubro de 2016 na Exposição de Taipei.  O documento, amplamente ilustrado, contém os regulamentos e exemplos de selos proibidos, ilegais ou de emissões abusivas que não devem ser utilizados em coleções de exposição.